Instituto Mãos Limpas Brasil

Missão: Ser a Entidade mais ética da História do Brasil

Diretor de Redação

Mtnos Calil

Login

"Antigamente os cartazes nas ruas com rostos de criminosos oferecia recompensas, hoje em dia pede votos...
E o pior é que o BRASILEIRO dá...

 

Em ofício ao juiz da Lava Jato, secretário de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária, Wagner Mesquita de Oliveira, alegou preocupação com possível 'deslocamento de movimentos populares' para Curitiba, onde ex-presidente irá depor no dia 3.

 

 

secretariasegpubl

 

O secretário de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária, Wagner Mesquita de Oliveira, pediu ao juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, que adie o interrogatório do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, marcado para o dia 3 de maio, na sede da Justiça Federal, em Curitiba. O secretário alegou preocupação com ‘possível deslocamento de movimentos populares’ para a capital paranaense.

 

“Solicito a Vossa Excelência avaliação sobre a viabilidade de redesignar data e/ou local da oitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, agendada para o dia  3 de maio do corrente ano para data posterior, tendo em vista notícias de possível deslocamento de movimentos populares para esta Capital Paranaense em virtude da semana de comemoração do Dia do Trabalhador ( 1° de maio), o que pode gerar problemas de segurança pública, institucional e pessoal”, argumentou o secretário.

 

O pedido da Secretaria de Segurança Pública segue a mesma linha adotada pela Polícia Federal, que também sugeriu a Moro ‘mais tempo para realizar as tratativas com os órgãos de segurança e de inteligência para a audiência que será realizada’.

 

Cabe ao juiz Moro decidir se irá mudar a data do interrogatório do ex-presidente Lula.

 

Nesta ação, Ministério Público Federal sustenta que Lula recebeu R$ 3,7 milhões em benefício próprio – de um valor de R$ 87 milhões de corrupção – da empreiteira OAS, entre 2006 e 2012. As acusações contra Lula são relativas ao recebimento de vantagens ilícitas da empreiteira OAS por meio do triplex no Guarujá, no Solaris, e ao armazenamento de bens do acervo presidencial, mantido pela Granero de 2011 a 2016.

 

Ricardo Brandt, Fausto Macedo e Julia Affonso

24 Abril 2017 

 

 

Pin It

Logo TAYSAM Web Design 147x29